Ômicron é isca para roubar dados digitais em 12 países

De acordo com FortiGuard Labs, variante do RedLine Stealer já tentou fazer vítimas em alguns países da América Latina e pode chegar ao Brasil

 

Mais um ano se inicia com a covid em pauta, dessa vez com especial atenção à variante ômicron. A contagem diária de novos casos da ômicron se tornou uma preocupação global e, como já sabemos, infelizmente os cibercriminosos usam o medo como vantagem.

De acordo com o FortiGuard Labs, o laboratório de inteligência de ameaças da Fortinet, um arquivo chamado “Omicron Stats.exe” foi encontrado recentemente, resultado de uma variante do malware Redline Stealer, que rouba informações dos dispositivos das vítimas.

Os primeiros informes do RedLine Stealer são de março de 2020

De acordo com informações compiladas pelo FortiGuard Labs, essa variante do RedLine Stealer já tentou fazer vítimas em 12 países, incluindo alguns da América Latina e Caribe, podendo chegar a qualquer momento ao Brasil. Isso indica que este é um ataque generalizado e que a ameaça não tem como alvo organizações ou indivíduos específicos.

O arquivo “Omicron Stats.exe” está sendo distribuído por e-mail e é destinado principalmente aos milhões de usuários do sistema operacional Windows no mundo. Ele é enviado embutido em um documento projetado para a vítima abri-lo e gera o download automático do malware.

Os primeiros informes do RedLine Stealer são de março de 2020 e rapidamente se tornou um dos ladrões de informações mais difundidos vendidos em mercados digitais clandestinos. As informações coletadas pelo RedLine Stealer são vendidas no mercado da dark web por apenas US$ 10 por conjunto de credenciais de usuário. O malware surgiu assim que o mundo começou a lidar com um número crescente de pacientes com covid, levando seus desenvolvedores a usar o medo e a incerteza como isca.

Embora não seja projetado para ter um efeito catastrófico na máquina comprometida, as informações roubadas podem ser usadas para ações maliciosas pelo próprio cibercriminoso ou vendidas a outros criminosos para atividades futuras. Os usuários devem estar atentos e cautelosos com esse tipo de e-mail.

O FortiGuard Labs forneceu para sua base a assinatura IPS “RedLine.Stealer.Botnet” para detectar a comunicação do RedLine Stealer com servidores de comando e controle (C2) e evitar a exfiltração de informações e dados críticos.