Canal Aberto

MIT premia projeto Latino Americano por ajuda a pessoas com deficiência auditiva

Lima, 16 de janeiro de 2020 – Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 466 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de problemas de audição – um número que pode chegar a 900 milhões em 2050. Para atender as necessidades desta população, Leoncio Huamán Peredo, da IBM, utilizou a inteligência artificial de IBM Watson para desenvolver Vision D, um visor que permite às pessoas com deficiência auditiva visualizar em texto o que está dizendo seu interlocutor, sem perder o contato visual e sem necessidade de usar linguagem de sinais.

“Na minha vida, tanto acadêmica como profissional, participo de muitos grupos de trabalho e congressos com uma grande diversidade de talentos. Em alguma dessas oportunidades me chamou a atenção a dificuldade que tinham os participantes com deficiência auditiva para poder manter o mesmo nível de interação nas conversas e apresentações. Isso foi o que me motivou a criar uma ferramenta que possa ajudar na inclusão dessas pessoas, para que suas limitações auditivas não sejam um obstáculo em suas vidas”, comentou Leoncio Huamán. “Durante os testes e desenvolvimento de Vision D, trabalhei com a Associação de Jovens e Adolescentes Surdos do Peru, o que me permitiu desenvolver uma ferramenta capaz de atender realmente às suas necessidades”.

A invenção consiste em um pequeno visor que se adere a qualquer par de óculos e permite projetar as frases e palavras em tempo real graças ao serviço Watson Speech to Text que roda na nuvem pública da IBM. O dispositivo utiliza algoritmos de deep learning da IBM para gerar o texto por meio da comunicação por cabo a um microprocessador, sendo projetado em uma tela dentro do bloqueio do sistema ótico, que pode ser colocada em quaisquer óculos.

Ao usar Vision D, uma pessoa com deficiência auditiva pode acompanhar mais facilmente qualquer conversa sem perder o contato visual com as pessoas, que podem ou não saber linguagem de sinais. Além disso, pelo uso de mensagem de texto ser tão frequente entre a comunidade com problemas de audição, os usuários de Vision D também podem optar por receber o texto de seus interlocutores através de mensagens.

O código de programação de Vison D está à disposição da comunidade de desenvolvedores em open source, para que possam melhorar ergonomicamente o modelo da tela, receber atualizações e propostas para potencializar as capacidades do visor.

Leoncio foi reconhecido com o prestigioso prêmio “Inovadores com menos de 35 anos” concedido pelo MIT Technology Review, do Instituto Tecnológico de Massachusetts. O prêmio reconhece sua contribuição em questões humanitárias, tendo usado a tecnologia para solucionar problemas causados pela deficiência, através de uma solução econômica para as pessoas com perda auditiva parcial ou total.

“Estou muito feliz em receber este prêmio que me permitirá melhorar o Vision D em benefício das pessoas com problemas auditivos que não contam com recursos para comprar um implante coclear ou contratar um intérprete de linguagem de sinais”, concluiu Leoncio Huamán.

A cada ano, o MIT Technology Review premia as mentes mais brilhantes e inovadoras que estão criando iniciativas ou desenvolvendo projetos para resolver os problemas atuais do mundo, usando tecnologia e inovação. Seu objetivo é descobrir e apresentar as tecnologias mais criativas, inspiradoras e revolucionárias, assim como reconhecer os jovens que estão tornando isso possível.

Ana Paula Assis, Gerente Geral da IBM América Latina, destacou “É um grande orgulho termos o Leoncio como parte da equipe da IBM na América Latina. Leoncio é um jovem talentoso que simboliza o espírito de inovação e inclusão que temos em nossa corporação desde a fundação, há mais de 100 anos. Não posso imaginar um melhor uso da tecnologia que não seja aplicá-la para gerar um impacto social positivo, melhorar a qualidade de vida das pessoas e colaborar para que tenhamos uma sociedade mais inclusiva”.

Essa invenção também já havia sido premiada pela Universidade Ricardo Palma, em Lima (Peru), no Concurso final do curso de Engenharia Eletrônica “Criatividade Electrônica URP 2018 II”.