Canal Aberto

DTX propaga ecossistema de inovação na região da Alta Paulista

Visando apoiar as empresas da Alta Paulista, no estado de São Paulo, o DTX (Digital Transformation Experience) é um programa que tem como objetivo desenvolver um ecossistema de inovação na região. O programa reúne empresas nacionais dos segmentos de saúde, agronegócio, alimentos, serviços e segurança.

A transformação digital foi intensificada nos últimos anos com o avanço tecnológico. Empresas de todos os tamanhos e segmentos começaram a se adaptar – em todas as esferas – para permanecerem ativas e atenderem os consumidores em seu campo de atuação, muitas vezes inclusive repensando o seu negócio para o futuro.

O DTX é idealizado pela Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia que buscou parceiros reconhecidos no mercado para oferecer um programa de alta qualidade às empresas da região. Um deles é a Bluefields Aceleradora, responsável pelos encontros presenciais, acompanhamentos virtuais dos planos de ação relacionados a vertente de negócio, squads e estratégia de inovação.

A Bluefields enfatiza o impacto e a tecnologia, atuando em todas as etapas, acelerando negócios e conectando grandes empresas com o ecossistema de inovação. “Ao participar do DTX com nosso know-how em startups e inovação, cumprimos a nossa missão de transformar vidas através do empreendedorismo e intraempreendedorismo”, afirma Paulo Humaitá, CEO da Bluefields Aceleradora.

O outro é a EdBox, plataforma de ensino, que promove a organização e execução dos eventos do programa. “Somos uma edutech que nasceu no ecossistema de inovação da Alta Paulista, em Pompeia”, explica Tiago Goulart, CEO da Edbox. “Integrar esse novo momento da região é uma consequência das ações que já vêm sendo realizadas para formar uma gama de profissionais talentosos e empreendedores, propiciando um ambiente regional para absorvê-los, uma vez que acabam partindo para outros polos por não encontrarem um mercado aquecido”, complementa.

Dividido em quatro fases – Ideias Lab, Cultura Startup, Estratégia MVP e Sprints de Aceleração – o programa foca na experiência da transformação digital e incorpora as novas tecnologias do mundo 4.0, formando mão de obra especializada não apenas para as novas tecnologias, como IoT, Big Data e Machine Learning, mas com uma nova maneira ágil de gestão tão comuns no mundo de startups como Design Sprint, MVP e Scrum.

Ao longo de oito meses, mais de 15 empresas da região estão participando da agenda que inclui encontros presenciais e online, bem como inúmeras atividades práticas. Além dos profissionais, alunos das instituições locais já foram contratados e vão participar ativamente do programa.

“O DTX é o acesso que essas empresas precisavam para pensar como startups e gerir as iniciativas do seu portfólio de inovação de forma ágil. No Brasil, é inédito um programa da iniciativa privada com esse número de empresas unindo forças e criando colaborativamente um ecossistema de inovação de muros baixos, baseado em confiança. Acredito que muita inovação e startups vão sair desta região”, revela Paulo Humaitá, CEO da Bluefields Aceleradora. “Dar a nossa contribuição para a formação desse ecossistema é uma honra”.

Ao aproximar todos os atores – empresas e alunos – para resolução de problemas do mundo real, há a oportunidade de descobrir e formar talentos, contribuindo diretamente para a transformação e inovação.

Os primeiros encontros desta edição do DTX já foram realizados no Instituto de Desenvolvimento Familiar Chieko Nishimura, na cidade de Pompéia (SP). Na primeira etapa do Ideias Lab, formaram-se squads por empresa para aplicar metodologias de ideação, como o Design Sprint, que atua na construção de protótipos para testar rapidamente os potenciais projetos que serão executados ao longo do programa de Transformação Digital.

A próxima etapa, Cultura Startup, será uma imersão no ecossistema brasileiro de inovação, de forma a compartilhar estudos de caso de como grandes empresas estão inovando e mergulhar no mundo das startups com vivências.