Carreira Geral

Data Protection Officer está entre as funções em alta para 2020

Entre as atribuições, o DPO será o profissional encarregado de administrar e avaliar todos os dados da empresa

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) tem agosto como prazo máximo para as empresas adequarem seus sistemas e procedimentos. Uma das coisas que ela exige é ter um profissional dedicado à proteção de dados, o Data Protection Officer (DPO). Em um panorama de 36 profissões em alta para 2020, com salários entre R$ 3 mil e R$ 50 mil, a consultoria PageGroup destacou o cargo de Data Protection Officer (DPO).

Entre as atribuições, o DPO será o profissional encarregado de administrar e avaliar todos os dados da empresa, desde a coleta até o tratamento das informações. Além disso, possuirá um papel de interlocutor com o órgão regulatório de fiscalização de dados.

Salários de um Data Protection Officer podem chegar a R$ 30 mil

Para cumprir esse papel, o profissional precisa ter visão interdisciplinar, ter domínio sobre governança de tecnologia, segurança da informação e cibersegurança. Também é preciso ser um bom comunicador, para se relacionar com a ANPD (Autoridade Nacional de Proteção de Dados) e os titulares de dados, fazendo essa ponte entre a empresa, as autoridades e os consumidores.

De acordo com o relatório, o salário de um DPO pode variar entre R$ 20 mil a R$ 30 mil. Como a função é nova, a demanda está alta no mercado. “No Brasil, o DPO, ou encarregado pela proteção de dados, possui um papel muito forte de interlocução com todos os interessados, sejam eles internos ou externos”, afirma Marison Souza é professor no curso de formação de DPOs na Assespro-RS.

Para formar profissionais capacitados a entender sobre proteção de dados na prática e legislação, os cursos abordam conhecimento jurídico regulatório, aspectos técnicos, segurança da informação, implementação prática a partir de experiências da GDPR e fundamentos de privacidade.