Geral Inovação

Bueiros Inteligentes ajudam a minimizar pontos de alagamento

Os chamados Bueiros Inteligentes e Antidengue, que já possuem patente requerida junto ao INPI, terão os atuais chips GPRS de telefonia móvel substituídos pela tecnologia LoRa

A Net Sensors, empresa brasileira de tecnologia, integração e automatização, especializada no desenvolvimento de soluções sustentáveis para cidades inteligentes, dá mais um passo para que prefeituras, empresas concessionárias de limpeza pública e até empresas privadas interessadas em projetos sociais coloquem em prática a gestão inteligente dos bueiros de seus municípios.

A companhia passa a oferecer a solução em parceria com importantes players do mercado, como a American Tower e a Climatempo, gerando melhor custo-benefício com a tecnologia LoRa (Long Range) e com as atualizações, em tempo real, da situação climática das regiões com bueiros monitorados. O objetivo é agir preventivamente na limpeza dos bueiros antes das chuvas.

Municípios brasileiros já podem se beneficiar da Internet das Coisas (IoT)

Além disso, a empresa lançará, nos bueiros por ela monitorados, um larvicida biológico homologado pela Anvisa, que reduzirá substancialmente a proliferação do Aedes Aegypti, uma vez que o local é um dos principais criadouros do mosquito.

A cidade de São Paulo, através da LIMPA SP, um dos seis consórcios responsáveis pela limpeza de bueiros na zona norte, já conta, inicialmente, com 500 Bueiros Inteligentes instalados e monitorados, pela Net Sensors.

Os chamados Bueiros Inteligentes e Antidengue, que já possuem patente requerida junto ao INPI, terão os atuais chips GPRS de telefonia móvel substituídos pela tecnologia LoRa. Trata-se de uma rede sem fio de baixa potência (as chamadas LPWAN’s -Low Power Wide Area Network), com longe alcance (3 a 15 km), baixo consumo de bateria (até 10 anos), alta segurança, bidirecional (uplink e downlink), com padrão aberto e total mobilidade.

Segundo Carlos Chiaradia, sócio-fundador e CEO da Net Sensors, a mudança amplia sensivelmente o leque para a implantação nos 5.570 municípios brasileiros, sobretudo naqueles que são castigados todos os anos por conta de alagamentos.

“Com a tecnologia, oferecemos o serviço de gestão e monitoramento dos bueiros que reduz em 51% o custo operacional de limpeza, se comparado ao atual custo de manutenção dos bueiros. Além disso, a parceria com a Climatempo permitirá a oferta de um pacote de serviços ainda mais estratégico, com informações, em tempo real, da situação climática dos pontos monitorados, emitindo alertas à equipe de limpeza de rua, com duas horas de antecedência, indicando a probabilidade de chuvas fortes para evitar os alagamentos”, enfatiza Chiaradia.

Segundo o porta-voz, a referida economia de 51% estimada aos municípios, que via de regra têm um caixa restrito e dependem, muitas vezes, de repasses dos demais entes federativos, tem como base tanto a otimização operacional, quanto a minimização da ocorrência de despesas extraordinárias, destinadas a obras e serviços emergenciais, de infraestrutura e de restauração, geradas pelas enchentes, sem mensurar as perdas intangíveis, quando há vítimas e mortes em decorrência das mesmas”, pontua Chiaradia.

Múltiplos benefícios para a sociedade

Em termos práticos, a telegestão permite a destinação da equipe de limpeza de rua para a remoção do lixo dos bueiros somente nos pontos onde realmente há necessidade. O sinal emitido pelo sensor indica quando o bueiro atinge 70% de sua capacidade, enviando um alerta para as equipes de limpeza, atuando assim, de maneira assertiva, pontual e preventiva”, explica Chiaradia.

Além disso, o executivo explica que a implantação do cesto coletor com o sensor IoT e o larvicida biológico antidengue trazem inúmeros outros benefícios à sociedade: menor impacto ambiental, dada a remoção do lixo, que, em geral, escoa com as águas da chuva direto para os corpos hídricos (rios, córregos e mares); a destinação correta do lixo coletado; a redução dos pontos de alagamentos, uma vez que os bueiros estarão desobstruídos;  e a prevenção de doenças, como a Dengue, a Chikungunya e o Zika Vírus, em razão do larvicida biológico depositado em compartimento específico, que mata, em questão de minutos, as larvas do Aedes Aegypti, antes de se transformarem em mosquito, sem fazer mal a humanos e nem a outros insetos.

“Vale ressaltar que dados no Ministério da Saúde apontam um total de 1,5 milhões de casos de Dengue em 2019, número 488% maior em relação a 2018, sendo que desse total, 782 pessoas morreram em todo o País”, alerta Chiaradia.

Outra funcionalidade apresentada pelo sistema é o “placar ambiental”. Após a realização da limpeza do bueiro, é possível mapear a quantidade e o tipo de lixo, apresentando percentualmente o volume total de plástico, vidro, papel ou metal, que foram retirados dos bueiros e, com isso, deixando de poluir rios e mares. O aplicativo permite, inclusive, o evidenciamento da operação de limpeza, com a visualização de fotos antes e depois, podendo acompanhar o histórico daquele bueiro e região.

Resultados preliminares

A cidade de São Paulo, através da LIMPA SP, um dos seis consórcios responsáveis pela limpeza de bueiros na zona norte, já conta, inicialmente, com 500 Bueiros Inteligentes instalados e monitorados, pela Net Sensors. Os resultados preliminares apontam a efetiva gestão em 100% dos bueiros, com a redução da incidência de 100% de pontos de alagamento nos locais monitorados.

No Rio de Janeiro, após a instalação inicial em 600 pontos, a cidade passará a contar com 4 mil bueiros monitorados pela Net Sensors ainda em 2020. “Em breve, chegaremos a Maricá com 2,5 mil bueiros e nas cidades de Niterói, Cuiabá, Brasília e Salvador, além de já estarmos realizando provas de conceito em cidades fora do país, Miami (EUA) e Cascais (Portugal)”, detalha Chiaradia.

O custo mensal estimado varia de R$ 120,00 a R$ 250,00 por bueiro, dependendo do tipo e tamanho dos mesmos, da logística, dos volumes e dos serviços opcionais agregados, como, por exemplo, roteirização, mão de obra especializada para limpeza, entre outros.